Arquivo de etiquetas: manifestações

OAB-MG lança Campanha de Combate a Corrupção

Luiz Claudio Chaves 02

Chaves: “O ponto principal da campanha de combate à corrupção é o fim do financiamento privado a candidatos e partidos políticos”
(Foto: Divulgação)

 

Entre os objetivos principais, está o fim do financiamento privado a candidatos e partidos, regulamentação da Lei Anticorrupção (Lei Federal nº 12.846/2013), em tramitação no Congresso Nacional, e a criminalização do caixa 2 em campanhas eleitorais.

Desde o início de 2014 a ação da OAB contra o financiamento empresarial de campanhas, partidos e candidatos está sendo julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Em abril do ano passado seis ministros, de um total de 11, foram favoráveis à ação; o que já era a maioria. Mas o ministro Gilmar Mendes pediu vista (solicitação para analisar melhor) e o julgamento foi interrompido. Na Campanha de Combate a Corrupção a Ordem pressiona para que a conclusão desse julgamento aconteça ainda no primeiro semestre de 2015.

Para o presidente da OAB/MG, Luis Cláudio Chaves, se o STF tivesse encarado a questão do financiamento privado em sua totalidade, os problemas que enfrentamos estariam amenizados. “É inaceitável que empresas escolham quais candidatos irão representar a nação brasileira. O poder emana do povo e em nome dele deve ser exercido. O voto é popular e não empresarial. O que nós estamos vendo é que ele tem preço”, diz o presidente. Quanto à regulamentação da Lei Anticorrupção, sancionada pela presidente Dilma em 2013, ele salienta que “existe a lei, mas ela ainda está no campo do aspecto moral, precisa de sanção e forma penal” para que o juiz possa determinar as medidas a serem tomadas.

Outras ações contidas no plano de combate a corrupção da OAB são estabelecer no código de processo penal prioridade na tramitação e julgamento dos processos relativos à improbidades administrativas e crimes de corrupção, uma reforma política que possa ser discutida pela sociedade e a conscientização do voto popular. “Não adianta nada a gente fazer campanha se o cidadão na hora de votar continua escolhendo candidatos que tenham ficha suja e que cotidianamente expropriam recursos do povo brasileiro”, ressalta Chaves.

 

“Impeachment não é juridicamente possível no momento e pedido de intervenção militar é inconstitucional”, afirma presidente da OAB/MG

Cerca de 30 mil pessoas participaram da manifestação de repúdio ao governo e à corrupção em Belo Horizonte. Bandeiras contra a presidente, pedidos de impeachment e alguns de intervenção militar foram vistos ao longo da Praça da Liberdade. O presidente da OAB/MG elogia o caráter pacífico do ato e afirma que a Ordem dos Advogados louva a livre manifestação de opinião, por mais absurda que ela possa parecer, como um pedido de intervenção militar, caracterizado por ele como absolutamente inconstitucional.

Para ele, a intervenção militar seria um retrocesso político para o país. “Todas essas manifestações populares pacíficas serão apoiadas pela Ordem, mas, evidentemente, nós queremos separar o joio do trigo. Nós estamos a favor do aperfeiçoamento das instituições democráticas brasileiras”, salienta.

Quanto aos pedidos de impeachment, o presidente esclarece que no momento não há nenhuma medida que o viabilize, porque a presidente foi reeleita agora e “pedido de impeachment deve ser feito com base em algum crime cometido na gestão. Não há materialidade de nenhum crime que ela tenha praticado no exercício desse novo mandato, que justifique a adoção de um processo de impedimento”.

Mesmo assim Chaves pondera: “Toda via, nós temos denúncias graves contra o presidente do Senado e da Câmara, que estão sujeitos a uma investigação criminal. Se dessa investigação originar uma denúncia formal do Ministério Público com prova substancial nós podemos ter impedimentos em relação aos outros cargos políticos”.

Dilma Roussef

Presidente lança pacote anticorrupção. As medidas são:

1º Tipificação do Caixa 2 (Projeto de Lei)

2º Ação de extinção de domínio ou perda de propriedade ou posse de bens (PEC e Projeto de Lei)

3º Alienação antecipada de bens apreendidos (PL 2.902/2011 – Pedido de Urgência)

4° Ficha limpa para servidores (Projeto de Lei)

5º Tipificação do Enriquecimento Ilícito (PL 5.586/2005)

6° Regulamentação da Lei Anticorrupção (Decreto)

7° Grupo de Trabalho (Acordo de Cooperação).

Acir Antão

 

Joel jorge paschoalin

Joel Paschoalin, presidente do Sindicato das Empresas de Ônibus de BH, com o governador Fernando Pimentel, em recente encontro
(Foto: Divulgação)

 

EM CADEIA - As redes sociais passaram a divulgar comentários de vários juristas, estranhando que o ministro Dias Tofolli tenha se oferecido para compor uma turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que vai julgar a Operação Lava Jato. Toffoli, mesmo sendo ex- advogado do PT e assessor do ministro José Dirceu, não se considerou suspeito no julgamento das ações do Mensalão. Agora, ao se oferecer para fazer parte dessa turma, ele pode ser o relator do caso no Supremo. Deve vir pizza por aí!

 

LACERDA EM ALTA - O prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda, parece que acordou e passou a exigir alguns procedimentos na cidade que antes estavam esquecidos. Disse que não vai permitir que manifestações atrapalhem o trânsito no Centro e já chamou a atenção da Gasmig pelo vazamento de gás ocorrido no bairro Santo Agostinho. Que o prefeito continue fazendo esses questionamentos, principalmente nas obras que outras empresas vêm fazendo, sobretudo nos passeios da cidade.

 

RESSACA – O governo ainda está padecendo de uma grande ressaca depois das manifestações e panelaços de domingo passado. O que o PT cansou de fazer no governo Fernando Henrique quando pedia sua cabeça, agora contra Dilma virou golpe. Nunca o PT falou tanto em democracia como agora. E lembrar que dona Dilma quando foi presa e torturada, na verdade, defendia outro regime que não era o democrático.

 

ZÉ DIRCEU - Mesmo na cadeia em 2013, o ex-ministro José Dirceu faturou R$ 4,2 milhões com sua firma de consultoria. Essas informações constam nas investigações da Operação Lava Jato que apura desvios da Petrobras. A Polícia Federal desconfia que o ex-ministro tenha recebido dinheiro das propinas oriundas da corrupção promovidas pelas empreiteiras que operaram esse sistema na Petrobras e pagaram ao ex-ministro serviços de consultoria nesse período. Segundo os promotores de justiça, este é o único caso em que um consultor preso tenha obtido bom faturamento de dentro da cadeia.

HAMILTON DE HOLANDA – O “Jimi Hendrix” do bandolim - Semana que vem, nos dias 3 e 4 o músico Hamilton de Holanda, estará no Teatro Bradesco para mostrar aos mineiros todo seu talento que o fez reconhecido como o criador da técnica polifônica do bandolim brasileiro de 10 cordas. Transgressor do instrumento e criador de uma técnica revolucionária, o bandolinista contagia plateias em turnês por todo o mundo, construindo uma carreira de inúmeros prêmios, de uma música focada na beleza e na espontaneidade. Apesar de estar sozinho no palco, Hamilton é um verdadeiro showman, ele interage com a plateia e em determinado momento toca o bandolim acompanhando a si mesmo, quando num telão aparece vídeo quando ele tinha cinco anos de idade.

PARA OS FÃS - A banda mineira Rottina Hurbana, que ficou conhecida no meio musical após o lançamento do CD “Interrogação”, está em fase de gravação da nova música: “Só Sonhar Não Vai Adiantar”. A canção fará parte do DVD Ao Vivo que leva o mesmo nome e será gravado possivelmente este ano. Sucesso na certa!

 

DA COCHEIRA

 

O primeiro confronto pela imprensa aconteceu outro dia entre Aécio Neves e o governador Fernando Pimentel. O senador, presidente do PSDB, disse que o orçamento proposto pelo governador Alberto Pinto Coelho tinha 3% de previsão de aumento da arrecadação. Segundo Aécio, se o governo do PT não tem competência para aumentar a arrecadação do Estado, melhor não criticar o orçamento. Pimentel por sua vez respondeu ao senador do PSDB, dizendo que o seu governo está consertando o que os tucanos fizeram de errado.

 

O deputado Lafayette Andrada respondeu que o PT administra olhando para trás, esquecendo-se que governar é pensar no futuro.

O engenheiro José Antônio Souza de Miranda Carvalho será o novo presidente do Sindicato das Empresas Locadoras de Equipamentos, Máquinas, Ferramentas e Serviços Afins do Estado de Minas Gerais (Sindileq). Só em 2014, o segmento movimentou mais de R$ 500 milhões.

 

ANIVERSÁRIOS

 

Domingo, dia 22 de março

Radialista Dina Fernanda

Jornalista Carlos Viana – Rádio Itatiaia

Antônio Lobo Scoralick

 

Segunda-feira, dia 23

Dr. José Maria Veiga

Olímpia Borges

Ex-vice-governador João Marques de Vasconcelos

Coronel Celso Sérgio Ferreira

Ex-deputado Neider Moreira

 

Terça-feira, dia 24

Jose Roberto de Vasconcelos Novaes

Deputado Luiz Humberto Carneiro

 

Quarta-feira, dia 25

Juca Camargo – Contagem

Ermelindo da Rocha Faria – empresa São Gonçalo

Jornalista Vânia Turce

José Soares – Hospidrogas

 

Quinta-feira, dia 26

Srª Wanda Lacerda

Deputado José Saraiva Felipe

Dr. Sérgio Reis Regine

 

Sexta-feira, dia 27

Engenheiro José Carlos Baldi

Ex-ministro Arlindo Porto

 

Sábado, dia 28

Márcio Belém – ex-prefeito de Esmeraldas

Dr. Carlos Kleber Guimarães

 

A todos, os nossos parabéns!

 

 

 

Vandalismo afasta população dos protestos

manifestacao

Com medo de depredações, revendedoras de motos instalaram tapumes em sua fachada
(Foto: JEditorial)

 

 

Um estudo realizado pelo Instituto Vox Populi, divulgado no mês de maio revelou que a chance de acontecer protestos na mesma proporção que os de 2013 é muito pequena, pois houve uma queda no interesse da população.

Ainda segundo a pesquisa, em junho do ano passado, 50% da opinião pública brasileira se interessava e tinha curiosidade em procurar mais informações sobre as manifestações. Hoje, esse número é de apenas 20%.

Em entrevista ao Valor Econômico, o diretor do instituto, Marcos Coimbra, disse que o índice caiu por causa dos elevados atos de vandalismo. “A queda foi de menos da metade de junho para cá, o que está relacionado ao aumento da violência nas manifestações”.

A professora da UFMG, historiadora e coordenadora do Centro de Convergência de Novas Mídias, Regina Helena, conta que existe uma estratégia de demonização de um grupo. “Em vários lugares do mundo se faz protestos de um jeito, aqui no Brasil é que a coisa foi pelo lado do vandalismo e do quebra-quebra. Isso cria uma insatisfação popular com relação a essas atitudes e, a partir daí, as pessoas retiram o apoio, não das causas, mas da manifestação”.

Essa é a mesma opinião da auxiliar de serviços gerais Meyre Amaral Soares, 54 anos, que diz achar os protestos absurdos, porém necessários. “Eles partem para a violência e a gente tem que ficar dentro de casa por causa do vandalismo. Não precisaria ser assim se o governo olhasse melhor as coisas”, acredita.

A auxiliar afirma não ver benefícios gerados pela Copa e sugere que as mudanças só virão com um novo governo, opinião que é contestada pela  professoraVera Lúcia Vieira, 49. “Nos outros governos as coisas não eram tão boas quanto hoje. Melhor do que o atual não vai ter. É só olhar os anteriores”, diz.

Com medo de depredações durante os protestos, uma revendedora de motos localizada na região Oeste de Belo Horizonte, instalou tapumes na fachada, a princípio por recomendação da prefeitura, já que ela está na rota das pessoas que se dirigem ao Expominas, local que realiza a Fan Fest.

“A prefeitura disse que aqui é uma área de risco, pois a loja está situada entre as principais praças e a Fan Fest. Como medida preventiva resolvemos colocar os tapumes”, diz o supervisor comercial Jorge Riveira.

O engenheiro eletricista aposentado Geraldo Magela, 61, comenta que o maior vilão das manifestações são as pessoas infiltradas com interesse apenas em banalizar o ato tão nobre. “Isso mancha os protestos, a própria população que não participa das manifestações acaba ficando contrária devido ao vandalismo. A situação vira caso de polícia e os manifestantes que tem boas intenções acabam se perdendo, porque os vândalos se misturam e é impossível separar uma coisa da outra”.

A Copa começou há pouco tempo e já foram registrados, só em BH, vários casos de depredações e outros atos violentos, além de vários outros protestos. Na capital mineira, a maioria das manifestações é organizada pelo Comitê dos Atingidos Pela Copa (Copac). Procurado pela reportagem do Edição do Brasil, o movimento não indicou nenhum de seus componente para explicar quais as intenções e objetivos durante a realização do Mundial.

Regina Helena acrescenta que manifestações podem ocorrer a qualquer momento e durante muito tempo. Por exemplo, ano passado havia protestos pelo estatuto no nascituro, da cura gay, passe livre, dentre outros em uma mesma manifestação. “As pessoas às vezes se esquecem dessa confluência de coisas que ocorreu em 2013. Toda vez que isso acontecer teremos esses protestos. Sempre que tivermos um agregador, um elemento ou evento elas acontecem desde que o Brasil é Brasil.

Subsecretária de Turismo afirma que Minas está pronta para a Copa

Silvana Nascimento

De acordo com Silvana Nascimento, as obras de mobilidade estão em plena execução
(Foto: Almg)

 

*Da redação 

Segundo a subsecretária de Turismo de Minas Gerais, Silvana Nascimento, em entrevista exclusiva ao Edição do Brasil, o nosso estado está, sim, pronto para o Mundial. Ela diz que as obras de mobilidade ficarão prontas a tempo e os voluntários estão sendo treinados para receber com eficiência os visitantes. Com relação à segurança diante de manifestações e possíveis atentados, ela ressalta: “A Polícia Militar tem a missão de garantir a realização das manifestações pacíficas, assegurando a integridade física das pessoas e preservação do patrimônio público”.

 

Quais são as principais questões que Minas Gerais ainda precisa resolver para que a Copa do Mundo no estado seja um sucesso?

As obras relacionadas à mobilidade estão em plena execução no momento, como as de melhorias das vias de acesso ao Aeroporto de Confins, as de ampliação do local e as do BRT. Também vamos iniciar o processo final de treinamento dos voluntários, além de dar sequência às capacitações em andamento. Com a abertura dos novos hotéis hoje em construção, vamos hospedar o visitante em instalações confortáveis. A agenda cultural da cidade e do estado também será um dos grandes atrativos de Minas, como o Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Instituto Inhotim e nossas cidades históricas.

 

Quais são os principais diferenciais do nosso estado para os turistas durante a Copa?

Os atrativos mineiros são reconhecidos e valorizados em todo o território brasileiro e no exterior. Traços como a hospitalidade e a cordialidade dos mineiros, anfitriões natos capazes de acolher visitantes de todo o mundo, além da culinária inigualável, o turismo de aventura, o turismo cultural e as cidades históricas são os diferenciais favoráveis na cesta de oferta turística em que se busca o único, o exemplar ou o autêntico. Além disso, Minas está em uma posição geográfica central e estratégica na região Sudeste. Possui extensa rede de rodovias, com destaque para as BR-381, BR-262, BR-040, a MG-50, a BR-101 e a BR-116, que atravessam o estado, eixos principais de acesso às regiões turísticas, à capital Belo Horizonte e aos principais grandes centros urbanos brasileiros.

 

Uma grande preocupação é com relação ao período pós-Copa. A senhora acredita que as obras se tornarão “elefantes brancos” e teremos problemas para ocupar os hotéis inaugurados?

Não. Nos últimos cinco anos houve um considerável aumento na taxa de ocupação dos hotéis. Isso se deve ao favorável momento econômico que vive o estado. Além disso, Minas Gerais aprimorou a questão do turismo de eventos, que aumentou taxa de ocupação dos hotéis nos dias de semana, chegando às vezes a 100%. E o turismo de lazer viabilizou uma maior taxa de ocupação na capital durante os finais de semana.

 

Como o estado está se preparando para possíveis manifestações ou atentados que podem acontecer durante o Mundial?

A Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) está se preparando de acordo com suas atribuições constitucionais, bem como com aquelas específicas definidas no plano estratégico de segurança para a Copa do Mundo. A Polícia Militar tem a missão de garantir a realização das manifestações pacíficas, assegurando a integridade física das pessoas e preservação do patrimônio público, sendo uma das instituições garantidoras do estado democrático de direito. A PMMG age de acordo com a legislação vigente e prima pelo acatamento das normas, sempre buscando a preservação das vidas e da integridade das pessoas de acordo com os ditames doutrinários de direitos humanos.

 

Como a população pode contribuir para agregar valor ao turismo mineiro durante o evento?

A população vai contribuir com a hospitalidade que lhe é peculiar nas mais diversas situações, seja com o turista nas ruas e hotéis, no aeroporto, no estádio, nos pontos turísticos da cidade, enfim, onde quer que haja pessoas de fora à procura de informações sobre nossa capital e estado.

 

Que balanço prévio você pode fazer da atuação do setor de Turismo em Minas no período de organização da Copa do Mundo?

O governo tem investido no setor com cursos de capacitação e qualificação, visando a preparação da rede de serviços turísticos e a garantia da satisfação de todos os visitantes de Minas Gerais durante estes grande eventos, consolidando o estado como destino internacional de turismo. Estão sendo capacitadas 1.910 pessoas em várias cidades do estado. Com recursos federais, o Pronatec Copana Empresa é destinado à qualificação de profissionais já empregados no turismo, por demanda do empregador, na frequência e nos horários de sua melhor conveniência.Temos, por este programa,124 pessoas já capacitadas;160 pessoas cursando e 798 pessoas aguardando pactuação de novas turmas.

Manifestações deram prejuízos de R$ 40 mil a lojistas e vendas caem 1,85%


Bruno  Falci 2

Bruno Falci: “A prorrogação dos impostos poderá ajudar os lojistas lesados durante as manifestações”
( Foto: Ass/CDL/BH)

 

Todavia, este movimento não foi de crescimento nas vendas, mas de prejuízos por causa das manifestações na capital. De acordo com pesquisa realizada pela Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL/BH), com 36 comerciantes da Avenida Antônio Carlos, os danos chegaram à casa dos R$ 40 mil para cada lojista. Além dos prejuízos, as vendas consequentemente caíram 1,85%.

No dia 10 de julho, a CDL conseguiu a prorrogação de taxas e impostos junto aos governos municipal e estadual para ajudar esses comerciantes. Em entrevista ao jornal Edição do Brasil, o presidente da CDL/BH, Bruno Falci, diz que a medida vai auxiliá-los.

“Apoiamos as manifestações de forma pacífica e civilizada, mas repudiamos a depredação do patrimônio público ou privado. Por este motivo, as empresas lesadas que tem o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) relativo aos meses de junho, julho e agosto de 2013, com vencimento a partir da publicação do decreto, poderão ter o vencimento no terceiro mês subsequente à ocorrência do fato. O imposto de junho poderá ser recolhido em setembro, o de julho em outubro e assim por diante. Isto poderá fazer com que este comerciante consiga voltar aos trilhos”.

Perguntado sobre quais foram os maiores danos causados nas lojas, Falci afirma que alguns pontos chamaram a atenção. “Os estragos foram, depredação da fachada que representou (45,71%), saque de lojas (20%), depredação interna (20%), incêndio (8,57%) e os demais prejuízos nos comércios (5,71%), infelizmente”, salienta.

Questionado sobre o que os lojistas sem condições financeiras de pagar esses impostos, mesmo com a medida da CDL, poderão fazer, Falci diz que a única saída por enquanto é a prorrogação deles.  “Desde o início do vandalismo ocorrido nas manifestações, ó órgão vem atuando em prol dos comerciantes prejudicados. Estamos colocando também à disposição das empresas lesadas todo o nosso corpo jurídico e institucional na busca de soluções, fora o pedido de isenção e/ou prorrogação de impostos junto aos governos que poderá ajudar”, comenta.

 

Queda acentuada

Além dos danos financeiros, os comerciantes lesados estão amargando também a queda nas vendas, que somente de maio a junho de 2013, chegaram a 1,85%.  Falci explica que este resultado veio por causa da soma da inflação versus manifestações. “O aumento dos preços tem levado os consumidores à cautela quanto às suas despesas, evitando acumular muitos gastos e, como consequência, diminuindo o consumo”, comenta.

Para Falci, apesar do típico incremento nas vendas em função do Dia dos Namorados em junho, o aumento do nível de preços não contribuiu neste cenário. “Com o aumento da inflação, a capacidade de compra fica comprometida, em função do encarecimento geral dos bens e serviços. Assim os consumidores reduzem seu nível de consumo, impactando negativamente nas vendas. Além disto, muitos comerciantes fecharam as portas por causa dos danos, o que colaborou para redução das vendas”, lembra.

Ele salienta que pelo menos no 1° semestre de 2013 em comparação ao de 2012, o comércio teve crescimento. “Mesmo com a queda registrada em maio para junho deste ano, o comércio varejista de Belo Horizonte fechou com crescimento de 3,99% neste semestre em relação ao do ano passado. Este desempenho positivo neste período é resultado do nível de desemprego e a oferta de crédito”, diz.

De acordo com Falci, possivelmente até o mês de dezembro deste ano, o comércio e as vendas poderão voltar aos eixos. “As vendas poderão melhorar até o fim de 2013. Levando em conta que os comerciantes lesados poderão colocar as contas da casa em dia por causa do auxílio disponibilizado pela CDL”, conclui.

 

A voz rouca das ruas

*José Maria Trindade

 

Ninguém elege um ditador para quatro anos. Os governantes, mesmo os mais legítimos devem explicações e são obrigados a seguir o que o povo quer. Um aumento de 20 centavos na passagem não levaria tanta gente às ruas. Engana-se quem pensa que passagens é que levam estudantes e não estudantes para o enfrentamento democrático. É preciso ouvir a chamada “voz rouca das ruas”. Ninguém mais se sente representado pelos políticos. Os eleitores não se lembram mais em quem votam. A diferença já não existe mais. Um alerta sério, o divórcio aconteceu e os mandatários não se deram conta. É que quando o governante perde a vergonha, o cidadão perde o respeito. Acabou o último ponto de respeito, a gota d’água chegou.

Sobre agressões e depredações, são os dois lados que sempre estiveram juntos no exercício democrático da manifestação. A polícia está destreinada para conter manifestantes exaltados demais, assim como os militantes não sabem onde resistir e onde avançar. A gota d’água chegou tão rápido que o movimento não tem líderes e simplesmente não pode ser contido por palavras de ordem ou pela racionalidade e negociações.

O Brasil amanheceu diferente. A mudança chegou e não foi pelas mãos dos partidos ou dos políticos. A rua se encheu de novo. O movimento levou o PSDB e o PT a se unirem diante do desconhecido ameaçador. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad do PT se juntou ao governador Geraldo Alckmin do PSDB para decretar a redução do preço do ônibus, mas não adianta os manifestantes estão bem na frente.

Emissoras de TV se assustaram com manifestações de repúdio. Repórteres hostilizados e carros queimados atingiram o coração da mídia. Um excesso. Antes poderosas e onipotentes, os veículos de comunicação passaram a falar com maior independência e frequência até exagerada do movimento. É como a história da mágica que foi retirada da cartola e que já não cabe mais de volta, mesmo que o mágico se esforce. O jornalismo também aprendeu e se assustou com a força das ruas. A rua é forte e mostra que só é ocupada quando os representantes já não merecem mais respeito e credibilidade.

A última grande manifestação não foi a dos caras pintadas do “Fora Collor”. A eleição do ex-presidente Lula foi a tomada popular do poder, mas passou. Agora este grande movimento quer mostrar que é preciso trocar de fase. A insatisfação é geral. O recado é simples: o Estado tem que deixar de ser só ameaçador e começar a fazer parte da vida das pessoas. Parece um lugar comum, mas não há como pular esta parte. O cidadão já não quer mais só comida, mas serviços de boa qualidade com educação melhor, transporte eficiente e saúde de portas abertas. A revolução agora tem que vir dos políticos que não estão preparados.

Quando o cidadão deixa o conforto do lar e vai às ruas, não volta com promessas simples ou migalhas. O caldo entornou e a mágica ficou maior do que o feiticeiro. Por isso, nunca pergunte por que o povo brada nas ruas, já que nenhum homem (ou mulher) é uma ilha, o povo brada por você.

 

*Jornalista Correspondente da Rádio Jovem Pan em Brasília na cobertura da política nacional 

Indignação do brasileiro chega às praças públicas

Manifesto

 Manifestantes ocuparam os dois sentidos da BR- 040 semana semana
(Foto: Reprodução/TV Globo)

 

Jornalistas
*Andreza Cruz e Felipe José de Jesus

 

Mesmo porque, estas ditas autoridades certamente não têm resposta para as inúmeras reivindicações dos manifestantes.

Estudiosos sobre o tema avaliam que, enquanto essas passeatas estiverem acontecendo de maneira ordeira e sem vandalismo, terá o apoio não só dos jovens, mas também dos trabalhadores, da imprensa e da sociedade em geral. Se no passado o poeta Castro Alves dizia que “a praça e do povo”, agora, constata-se que efetivamente, as das grandes cidades brasileiras pertencem aos jovens, que livremente dão o grito de indignação.

 

Transporte Metropolitano

Em Minas Gerais, o engajamento dos jovens nas manifestações teve como marco inicial, um protesto que ocorreu na segunda feira, dia 17, pela manhã, quando foi interditada a BR 040, na altura do bairro Liberdade, no município de Ribeirão das Neves.

Naquele mesmo dia, o povo foi para as praças de Belo Horizonte e então, a adesão ao movimento nacional por mudanças se fez presente também na capital mineira, assim como no resto do país.

O objetivo da interdição da rodovia era exigir um transporte coletivo de melhor qualidade na região, especialmente da empresa Transimão, que atende passageiros de diversos bairros de Ribeirão das Neves. Os participantes atearam fogo em pneus e interditaram a via, gerando um engarrafamento de 12 quilômetros em direção à capital.

A respeito deste tema específico, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), informou, por intermédio da assessoria de imprensa que “as reclamações a respeito da qualidade do serviço encaminhadas ao Departamento de Estado de Rodagem (DER/MG) são apuradas pelo setor de fiscalização do órgão, a empresa Transimão, foi multada e notificada para corrigir as irregularidades constatadas”.

Segundo a assessoria da Setop, as reclamações mais frequentes, quanto ao serviço prestado pela Transimão, são as de descumprimento de horário, de superlotação de veículos, de conservação dos ônibus e das condições de higiene e limpeza. De acordo com a secretaria, a empresa é obrigada a corrigir as irregularidades enviando um veículo reserva para normalizar o atendimento.

Em nota de posicionamento, a Transimão Transportes afirma que “as negociações internas estão em andamento e os prazos e as metas ainda estão sendo estipulados”.

 

Problema generalizado

Não é somente em Ribeirão das Neves que o transporte coletivo urbano está em péssimas condições. Em toda a Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) existe reivindicações dos usuários.

A Setop relata que as maiores reclamações da RMBH giram em torno de atrasos e superlotação de veículos, muitas vezes relacionados com os transtornos de deslocamento a que o trânsito tem obrigado o transporte coletivo a se submeter.

Em resposta ao questionamento e se existem planos para ajudar os passageiros da RMBH, a secretaria explica que “existe um amplo projeto que vai desde o mapeamento dos itinerários, passando pelo levantamento de indicadores e de prioridades para o seu fiel cumprimento, considerando sempre o necessário envolvimento das empresas operadoras e de órgãos públicos municipais e federais. Estas alternativas são levantadas pelo DER e posteriormente subsidiam os estudos realizados pela Setop”.

 

Povo revoltado

Steffany Alves P. de Araujo 2

Steffany Alves: “Na volta do Centro para o bairro, as filas
no Oiapoque são imensas e nem todos os passageiros
conseguem entrar”
(Foto: Arquivo pessoal)

 

 

De acordo com a usuária da linha 6440 – Steffany Alves Peixoto Araújo, de 21 anos, moradora do Bairro Nápoli, em Ribeirão das Neves, a Transimão, empresa que foi multada no dia 17 de junho, já passou dos limites. Questionada se ela é a favor das manifestações, Estefani afirmou que sim. “Tive que descer do ônibus na segunda, mas sou a favor das manifestações. Digo isso, pois quem mora na região de Neves sofre com a Transimão. Quase todos os dias têm problemas: ônibus velhos, falta de assentos e horários não cumpridos. A condução só passa de duas em duas horas. Na volta do Centro para o bairro, as filas no Oiapoque são imensas e mesmo assim, nem todos os passageiros conseguem entrar. Já tentamos tirar a Transimão de lá, mas parece que a prefeitura não deixa outra empresa entrar”.

Já para Eva Raimunda de Paula, de 50 anos, também moradora do bairro Nápoli, a empresa Transimão não passa segurança aos passageiros.

“Tem 12 anos que eu moro na região e a empresa só se manifesta, quando a imprensa aparece. No nosso caso, a tarifa é muito cara e os ônibus são péssimos. Posso citar várias falhas nesta linha, como a falta de assentos e até mesmo a falta de segurança, pois na semana passada, o ônibus em que eu estava perdeu o freio. Eu gasto R$ 250 por mês com passagem e sem conforto nenhum. Gastar com a Copa do Mundo em minha opinião é um absurdo, pois, a saúde, a educação e o nosso transporte estão pedindo socorro há anos. Sou a favor do manifesto, só assim vamos ter voz para conseguirmos mudanças, inclusive diminuição da tarifa”, conclui.

 

Sintram não responde

Procurados pela reportagem do jornal Edição do Brasil, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram), por meio de sua assessoria de imprensa, não quiseram se pronunciar sobre o assunto. Segundo a assessoria, ainda não houve nenhuma reunião interna para debater sobre os manifestos ocorridos na RMBH. O Sintram tem 37 empresas de transporte associadas, entre elas, a Transimão.

 

Jovens nas ruas traçam um novo perfil político para 2014

Fotos: JEditorial

Aliás, enumeradas pelos próprios estudantes: alto preço de passagens de transporte coletivo; elevados custos com o evento da Copa do Mundo; falta de saúde pública; insegurança da população brasileira dentre tantas outras reivindicações.

Adelmo Carneiro Leão

Adelmo Leao 01

Vice-presidente da Assembleia Legislativa, um dos fundadores do PT mineiro, o deputado Adelmo Carneiro Leão se diz solidário ao lindo movimento democrático de manifestação nas praças públicas, mas repudia o vandalismo de uma minoria infiltrada nos movimentos.

“Há muitos anos, o Brasil não vê mobilizações tão expressivas quanto estas que estão ocorrendo agora. O momento é de luta por ideais justos e solidários. Reconheço como legítimos os movimentos sociais que estão ocorrendo em Minas Gerais e nas grandes cidades do Brasil. É uma valorização da democracia e do cidadão, que tem o direito de manifestar-se pelas causas sociais, pelo direito à liberdade e uma sociedade mais justa.

Desta forma, repudio qualquer tipo de vandalismo por ser este um ato contrário ao movimento saudável, ao despertar da cidadania, da tomada de consciência crítica e a percepção de que um Estado democrático de direito e de justiça seja também alicerçado na efetiva participação de cada um. Contem com o meu apoio”, opinou o parlamentar mineiro.

 Senador Aécio Neves

Aecio Neves

 

Outros políticos de Minas, o senador Aécio Neves teve coragem de adiantar. “O Brasil está sendo vendido lá fora como um país sem problema de um povo passivo e trabalhador. E agora, diante das praças públicas lotadas de jovens, esta “mentira” do Governo Federal de mostrar uma situação irreal caiu por terra, isto já não existe mais”, comentou o senador e presidente do PSDB nacional.

Hyé Ribeiro Pires

Hye Ribeiro Pires

Os movimentos de ruas de agora, já vão trazer um perfil político diferente no pleito de 2014, segundo avalia o bacharel em Comunicação Social e marqueteiro político Hyé Ribeiro Pires.

Eis a sua opinião:

“Para que qualquer movimento popular ou social tenha êxito é preciso que haja foco definido. O próximo passo deste fantástico movimento terá que ser a definição das prioridades. Sem elas, o protesto fica sem foco. Esta excepcional expressão popular se não tiver um enfoque explicitado, definido, terá seu registro na história do país, entretanto, não imporá mudanças sensíveis.

Para as próximas eleições, aqueles partidos que na tem ‘eleitor de carteirinha’, base eleitoral consolidada, terão maior dificuldade para ‘pregar suas idéias’, e consequentemente, a conquista ao eleitor será ainda mais complexa.

Este movimento obrigará principalmente aqueles candidatos às eleições majoritárias, que entendam com maior profundidade esse recado dado nas ruas das principais cidades brasileiras. Sem este entendimento, os discursos serão ainda mais vazios e, consequentemente, correrão o risco de falarem somente para meia dúzia de eleitores fisiológicos”.

 Vereador Edson Moreira

Edson Moreira

Delegado de polícia e vereador pelo PTB em BH, Edson Moreira, a exemplo de outros políticos, se manifesta a favor da manifestação, mas também condena a onda de baderna.

É a seguinte a opinião do vereador: “O povo tem o direito constitucional de se manifestar e deve fazê-lo ordeiramente. O que temos visto a exemplo de São Paulo – com a quebradeira de lojas na paulista, Rio de Janeiro – depredação da Alerj – e, principalmente, em BH – onde os manifestantes causaram danos de grande monta ao patrimônio público e privado -, é que esta parte da manifestação é desordeira, portanto, criminosa. Vamos nos manifestar pacificamente”.

 

 

*(Foto banner: Ronan Cláudio Coelho)

Emilienne Santos

MINASTUR

Emili 03

O secretário de Turismo de São Luís/MA, Lula Fylho, o colunista
Elder Martinho e Guilherme Marques, subsecretário de Turismo de São Luís

Emili 04

O empresário Fernando Júnior e o secretário Lula Fylho

 

ACONTECEU na última semana, dia 6 de março, o MinasTur, realizada pela Secretaria de Turismo de Minas Gerais. A feira teve sua abertura no dia 5 de março, promovida pela cidade de Campo Grande/MS, no Alambique. O evento aconteceu durante a tarde no Galopeira e teve seu encerramento no Espaço Meet Porcão, uma parceria entre a cidade de São Luis/MA e a Master Turismo.

 

8 DE MARÇO – DIA INTERNACIONAL DA MULHER

O SINDICATO dos Corretores de Minas Gerais, através do seu presidente, Pascoal Anselmo Santiago, recebeu corretoras de imóveis e esposas de corretores no salão da ACMinas para homenageá-las pelo Dia Internacional da Mulher. As presentes participaram de oficinas de beleza, apresentações artísticas, sorteio de brindes e da palestra “A mulher no cenário atual: desafios e perspectivas”, ministrada pela psicóloga Margareth Pedrosa.

O CONSELHO da Mulher Empreendedora da ACMinas através de sua presidente, Yêda Fernal Cunha, promoveu nos salões do Automóvel Clube um magnífico encontro em homenagem ao Dia da Mulher. Os presentes participaram de palestras ministradas por Leleta Mares Guia, Dr. Aloísio Andrade e Rodrigo Cezário. A homenageada especial da noite foi a Judith Pinto Coelho dos Mares Guia. Após a programação ainda foi oferecido um delicioso coquetel de confraternização.

CONTRARIANDO a participação feminina nacional no setor de TI que é de 19%, a TOTVS – empresa de software, serviços e tecnologia com sede em Minas Gerais – tem 36% do seu quadro de funcionários formado por mulheres. Para homenagear estas participantes, a companhia preparou momentos especiais na semana da mulher. Entre os dias 4 e 8 de março aconteceu exposição de produtos de beleza, de moda e de estética a preços promocionais. A homenagem se encerrou com a palestra “O poder dos acessórios”, ministrada pela consultora de moda Patrícia Mara, no auditório da TOTVS.

EM comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a CMI Mulher, comissão especial da Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI/Secovi-MG) presidida pela empresária Mirian Dayrell, promoveu, no dia 8 de março, um encontro exclusivo para os associados na sede da entidade. Na ocasião, foi apresentada a palestra: “Os perigos da internet no ambiente familiar e empresarial”, ministrada pela promotora de Justiça da Promotoria Especializada em Crimes Cibernéticos do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Vanessa Fusco

 

AGORA EM MINAS

A FUNDAÇÃO Ezequiel Dias (Funed), organização integrante do sistema estadual de saúde de Minas Gerais, será o primeiro laboratório público do país a produzir três medicamentos importantes para o tratamento de câncer, são eles: anastrozol, letrozol e bicalutamida. O acordo de transferência de tecnologia foi assinado, no dia 7 de março, com a presença do diretor presidente da Indústria Blipack, o argentino Carlos Andrea Fechino, o assessor da Blipack no Brasil, Eduardo Machado e o presidente da Funed, Augusto Monteiro Guimarães. A expectativa é que daqui a dois anos os remédios estejam em produção no Brasil e os gastos do Ministério da Saúde, de cerca de R$ 200 milhões, tenham um grande percentual de queda. A aquisição tem total apoio da Secretaria Estadual de Saúde, por meio do secretário de Estado da Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques.

 

SIMPÓSIO

O ANGIOLOGISTA mineiro Francisco Reis Bastos é o presidente do 5º Simpósio Internacional de Flebologia da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular de Minas Gerais (SBACV-MG) que será realizado em Belo Horizonte, de 21 a 23 de março, no Ourominas Palace Hotel. A realização é da SBACV- Regional Minas Gerais, entidade presida pelo médico Leonardo Ghizoni Bez. Os convidados internacionais que participam do evento são Jorge Segura, da Argentina; e Gilles Gachet e Paul Pittaluga, ambos da França, todos grandes nomes da especialidade. O evento promete grandes debates sobre os temas mais atuais da área com especialistas de todo o Brasil e do mundo.

 

NOVA UNIDADE

A IMUNOLÓGICA Vacinas Humanas, com uma trajetória de quase 10 anos de atuação em Minas Gerais, inaugura a unidade Santa Efigênia. A solenidade de inauguração está programada para o dia 14 de março. A conhecida soprano Wanda Werneck Naves fará uma apresentação durante a inauguração. O diretor da Imunológica Vacinas Humanas é Geraldo Barbosa e o diretor científico é o médico José Geraldo Leite Ribeiro, grande especialista da área de vacinas. O evento promete ser muito concorrido com a presença de nomes do meio médico e empresarial de Belo Horizonte.

PSB MULHER

NO ÚLTIMO dia 07 de março, no auditório do CREA-MG, foi instalada a Comissão Executiva do PSB de Minas Gerais e a ex-deputada Maria Elvira Sales foi empossada como presidente do PSB Mulher Estadual.

 

TEATRO BRADESCO ABERTO AO PÚBLICO

Emili 01

O presidente da ACMinas, Roberto Fagundes e sua esposa Sheila Fagundes

Emili 02

O presidente do Minas Tênis Clube, Sergio Bruno Zech e sua esposa Maria
Vitória, acompanhados do vice-presidente do Minas Tênis Clube
Murilo Santos Figueiredo e sua esposa Oneida Figueiredo

 

ACONTECEU no dia 1º de março a abertura oficial do Teatro Bradesco. A mais nova casa de cultura e arte de Minas foi concluída em novembro último e esteve em testes nos últimos meses. O programa de estreia foi a cantata “Carmina Burana”, do alemão Carl Orff, interpretada pela Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, pelo Coral Lírico de Minas Gerais e pelo Coral Infanto Juvenil Palácio das Artes, sob a regência do maestro Marcelo Ramos. O concerto contou, ainda, com as participações dos solistas convidados Jean Nardoto, Lyz Nardoto e Daniel Teadt. Na abertura estiveram presentes vários representantes do poderio político e empresarial. A PARTIR do próximo mês o teatro apresentará aos públicos adulto, infantojuvenil e infantil as mais diversas manifestações artísticas, incluindo teatro, dança, música clássica e popular.

CRÉDITO: A foto da edição 1552, da Vitória Capelão é do fotógrafo Pedro Paulo Souza.

superbanner

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player